Startup traz minério de ferro para a corrida das baterias — e atrai a ArcelorMittal

Form Energy quer solucionar a questão do armazenamento de energia renováveis com o uso de um minério bem mais barato e abundante que o lítio

Compartilhar

Diversos minerais têm aparecido na corrida por baterias capazes de abastecer um mundo cada vez mais eletrificado. 

Agora, uma solução desenvolvida por uma startup americana fundada há quatro anos e que conta com investimentos do fundo climático de Bill Gates e de Jeff Bezos pode estar trazendo uma commodity abundante e improvável para o jogo: o minério de ferro. 

Após anos de pesquisa a portas fechadas, a Form Energy anunciou ontem que chegou a um modelo comercial de bateria baseado em minério de ferro, capaz de descarregar energia por dias e a um preço que, segundo os fundadores, chega a um décimo do preço das baterias mais comuns, as de lítio.  

A ideia é escalar a tecnologia, tirando-a dos protótipos do laboratório e provar que ela funciona na vida real.

Num mercado em que soluções aparentemente promissoras não raro acabam morrendo na praia — ou se convertendo em falência –, um tanto de ceticismo é sempre bem vindo. 

Mas a Form trouxe um novo sócio de peso para sua empreitada: a ArcelorMittal, uma das maiores produtoras de minério de ferro do mundo está encabeçando uma nova rodada de investimento de US$ 200 milhões. 

Até aqui, a Form já havia captado cerca de US$ 125 milhões com outros investidores, incluindo também a holding de investimentos Temasek, de Cingapura. 

Muito pesada para abastecer carros elétricos, a bateria da Form pode representar um ponto de inflexão para um dos principais problemas envolvendo a energia renovável: armazenar grandes quantidades de energia para abastecer o grid quando o sol não brilha ou o vento não sopra. 

Hoje, os sistemas elétricos dependem de combustíveis fósseis como o gás natural e o carvão para resolver o problema da intermitência — garantindo energia de forma confiável e com preços acessíveis especialmente em picos de demanda.

As baterias de íon-lítio vêm sendo usadas por empresas do setor elétrico, conseguem armazenar energia para períodos mais curtos, de quatro a seis horas, e até são capazes de acomodar algumas flutuações de oferta de energia, mas sem garantir a necessária confiabilidade do sistema. 

Diversas soluções vêm emergindo na busca por soluções para a intermitência: do hidrogênio verde a baterias de bombas de água pressurizada (que lembram pequenas barragens de hidrelétricas), até tecnologias de captura de carbono que, em tese, poderiam tornar as térmicas fósseis menos poluentes. 

A questão é qual delas vai conseguir ser competitiva em preço. 

Nos Estados Unidos, reduzir o preço das baterias virou missão de Estado, já que a administração de Joe Biden tem a meta ousada de descarbonizar o setor elétrico até 2035. O Departamento de Energia do país já anunciou que tem como meta fomentar iniciativas para reduzir em até 90% o custo de armazenamento representado hoje pelas baterias de lítio.

Um estudo recente estima que os custos precisam cair abaixo de US$ 50 por kilowatt-hora antes que as utilities comecem a usar as baterias de longa duração de forma mais ampla. E esse custo de armazenagem tem que cair para algo em torno de US$ 1 a US$ 10 por kilowatt-hora antes de se tornar a solução dominante. 

Em entrevista ao The Wall Street Journal, um dos fundadores da Form, Mateo Jaramillo, afirma que o custo de armazenamento por célula é de cerca de US$ 6 por Kwh.  Um sistema completo de diversas baterias para garantir o abastecimento por mais de 100 horas sairia por algo em torno de US$ 20 por KwH, diz ele. 

Um ex-executivo da Tesla, onde trabalhou por cerca de sete anos desenvolvendo baterias, Jaramillo se juntou a Yet-Ming Chiang, um professor do MIT que cofundou a A123 Systems, uma pioneira das baterias de lítio, e vem pesquisando soluções para armazenamento de energia de longo duração há quase 10 anos. 

Em linhas gerais, o funcionamento da bateria é simples. Ela é composta por células recheadas com milhares de pequenos pellets de ferro que enferrujam quando expostas ao ar. Quando o oxigênio é removido, a ferrugem se converte em ferro. Ao controlar o processo, a bateria é carregada ou descarregada.

Com o objetivo de buscar formas baratas de armazenar energia, os cientistas da Form começaram trabalhando de forma agnóstica, com várias combinações: enxofre-ferro, enxofre-ar, enxofre-manganês e ferro-ar — e a última alternativa foi a que se mostrou mais promissora. 

O próximo passo da companhia agora é colocar um piloto em larga escala de pé até 2023, num projeto já fechado com uma geradora de energia que atua em Minnesota. Jaramillo diz que o plano é ter “baterias de ferro capazes de armazenagem de energia de longa duração a custo acessível a partir de 2025”.

Leia mais

Quer receber o Reset no seu e-mail? Inscreva-se

A melhor cobertura de negócios e finanças sustentáveis

Contribua com o Reset e ajude a construir a mudança.