Os investidores já estão colocando o clima na conta. Agora é a vez da biodiversidade

Empresas começarão as ser cobradas por seus impactos na natureza, diz Peter van der Werf, diretor de engajamento da gestora holandesa Robeco

Peter van der Werf, diretor de engajamento da gestora holandesa Robeco
Compartilhar

A gestora de fundos holandesa Robeco é uma das que levam mais a sério a integração de critérios ESG aos investimentos: de seus 173 bilhões de euros sob gestão, 164 bilhões estão sujeitos a algum tipo de critério ambiental, social ou de governança.

Peter van der Werf, diretor de engajamento da gestora, está acostumado a conversar sobre emissões de carbono, mas conta uma anedota para ilustrar o nascente interesse do setor financeiro pela biodiversidade.

“Um colega de uma instituição financeira holandesa estava descrevendo um painel sobre finanças na COP de biodiversidade anterior, realizada em 2018. Eram cinco pessoas assistindo.”

A própria presença de Van der Werf na COP15, encerrada na segunda-feira, em Montreal, é um sinal dessa transformação. Estreando em COPs da biodiversidade, ele fez parte de um contingente de quase 1.000 representantes do setor privado interessados em discutir a proteção da vida no planeta.

 

Ele ainda está aprendendo a falar a linguagem da biodiversidade. E não é o único: outras 116 instituições se juntaram à Robeco para fundar a Nature Action 100, uma coalizão de investidores anunciada durante a conferência (o lançamento oficial está previsto para o começo de 2023).

Inspirada na Climate Action 100, a entidade terá como objetivo cobrar mais ambição e ação das companhias no combate à perda da diversidade biológica. Mesmo que ainda não existam padrões e informações precisas, o trabalho pode começar já, diz Van der Werf.

“Como você está incorporando a biodiversidade em sua estrutura de governança? Quem é o responsável, em último caso? Qual é o papel do conselho de administração? Ele tem os recursos [para fazer esse acompanhamento]? Essas são algumas perguntas que devem começar a ser feitas.”

Ele conversou com o Reset antes da aprovação do Marco Global da Biodiversidade. Eis os principais trechos da entrevista (menos as comiserações mútuas pelo fracasso das respectivas seleções na Copa do Catar).

O setor financeiro na mesa

A Finance for Biodiversity Foundation participou do evento de cúpula (a sessão com a presença dos ministros de Estado), representando todo o setor. [Os 126 integrantes da aliança se comprometem a analisar e divulgar o impacto de suas carteiras na natureza até 2025; a JGP é a única instituição brasileira a firmar o compromisso.]

Temos um lugar à mesa e podemos oferecer nossa visão e enviar a mensagem sobre o que seria importante para podermos cobrar as empresas em que investimos. E isso também se refere às próprias instituições financeiras. Não conseguimos fazer divulgações completas se não tivermos dados das empresas.

Vejo várias boas pepitas no texto, mas não dependemos só do resultado da COP [a entrevista foi realizada antes do fim da conferência]. Também podemos, nós mesmos, ser mais ambiciosos.

O problema da medição

Usando uma ferramenta que mede a exposição ao capital natural, descobrimos que um terço dos nossos investimentos tem algum tipo de impacto na biodiversidade e um quarto depende dela.

Precisamos ampliar essa base. Existem cerca de 5.000 empresas em que a Robeco poderia investir em termos de ações, e o número seria ainda maior em renda fixa. Queremos informações de biodiversidade de todas elas.

Para algumas empresas, como uma mineradora ou uma empresa que vende água mineral, como medir é mais claro. Para outras, com longas cadeias de fornecimento, é diferente. Pense em vestuário ou alimentação.

[A medição do impacto local] pode ser o ponto inicial das divulgações. Qual é o mapa de seus ativos? Como sua empresa está olhando para isso?

As companhias já têm sistemas de gestão de risco, mas não estão acostumadas a falar do assunto. Isso é compreensível, porque existem implicações de concorrência. Mas temos de começar por algum lugar e mudar essa narrativa.

Algumas delas já entendem isso e fazem um balanço ambiental para os próximos dez anos. Outras já anunciaram a intenção de ser nature positive (promover a recuperação de espécies e ecossistemas) em 2025.

Depois do clima, mais uma cobrança

Vai haver a conexão com as iniciativas ligadas ao clima. Muito desse trabalho já foi feito. Os pilares e a lógica são os mesmos.

Será uma jornada para as empresas. Muito vai depender de onde a biodiversidade entra na lista de prioridades.

Como você está incorporando a biodiversidade em sua estrutura de governança? Quem é o responsável, em último caso? Qual é o papel do conselho de administração? Ele tem os recursos [para fazer esse acompanhamento]?

Mesmo sem dados em mãos, essas são algumas perguntas que devem começar a ser feitas. 

Você está envolvido com a TNFD (organização que deve anunciar em 2023 os primeiros padrões globais para divulgação de informações corporativas sobre biodiversidade)? Sabe o que vem por aí e por que isso é importante para os investidores?

A oportunidade do agronegócio

Dialogamos com muitas empresas [do setores de grãos e proteínas animais] brasileiras há uma década sobre temas como desmatamento e os riscos das cadeias de suprimento. Não só os fornecedores diretos, mas também os fornecedores dele.

Esse é o grande desafio. Acredito que a passagem da nova lei da União Europeia (que proíbe a importação de commodities agrícolas associadas ao desmatamento) seja uma ótima oportunidade competitiva.

Se elas conseguirem melhorar suas práticas e comprovar o que é exigido pelos reguladores europeus, poderão afirmar com todas as letras que estão contribuindo para a recuperação da natureza.

E isso vale não só para o agronegócio, mas para todos os setores. Assim como temos o net zero no clima, teremos [esse conceito] de nature positive. Ainda estamos tentando defini-lo exatamente, indicar uma linha de base. Mas ele pode ser um objetivo de longo prazo, que vai orientar as ações das companhias.

A biodiversidade como foco de investimento

[A Robeco tem um fundo dedicado exclusivamente a empresas com impacto positivo na biodiversidade. Diferentemente de muitos fundos ESG tradicionais, ele não contém empresas de tecnologia, por exemplo.]

[Para montar a carteira do fundo de biodiversidade,] fizemos muitas pesquisas voltadas a trabalhos acadêmicos, olhando para ecossistemas terrestres, de água doce e marinhos, e também cadeias de suprimento rastreáveis.

O que causa perda de biodiversidade? Que modelos de negócios podem revertê-la? Que companhias têm exposição significativa a esse modelo de negócios?

Selecionamos as empresas que se destacam em relação a seus pares e meu papel é dialogar para que elas reduzam ainda mais sua pegada.

A estratégia é atraente do ponto de vista do retorno, mas também do impacto positivo, que estamos investindo para inverter a curva [da perda de biodiversidade].

O próximo passo é pensar como podemos levar [esses aprendizados] para todas as nossas outras estratégias. Aí, é claro, ainda esbarramos na falta de informações.

A convergência de clima e biodiversidade

Essa é uma questão muito importante. Este ano designamos uma equipe que olha para clima e biodiversidade juntos, pensando em estratégias de longo prazo.

Acreditamos que os dois vão caminhar cada vez mais juntos. E isso também fica claro quando se olha para a COP27, em Sharm el-Sheikh, e esta COP.

Quando você fala em soluções baseadas na natureza, as empresas podem descarbonizar e proteger a biodiversidade. Os objetivos net zero não deveriam estar separados da natureza. Esses mundos têm que conversar e, com o tempo, se unir.

Mas é claro que ainda há trabalho a fazer. O 1,5° existe desde 2015. Temos na Robecio dois cientistas de dados especializados em clima. Ainda não chegamos lá com a biodiversidade.

Leia mais

A melhor cobertura de negócios e finanças sustentáveis

Contribua com o Reset e ajude a construir a mudança.