Nova Zelândia pode ser o primeiro país a taxar emissões da pecuária

Num país com duas cabeças de gado e cinco de ovelhas para cada habitante, o metano dos rebanhos é a principal fonte de emissão

Compartilhar

A Nova Zelândia divulgou um plano para taxar os arrotos dos bois e das ovelhas, o que pode fazer do país o primeiro a cobrar os fazendeiros pelas emissões de metano de seus rebanhos. 

Num país com duas cabeças de gado e cinco de ovelhas para cada habitante, a pecuária é a principal fonte de emissão de gases de efeito estufa, respondendo por quase metade do total. 

A atividade é relevante também no perfil de emissões do Brasil, onde a fermentação entérica fica atrás apenas do desmatamento e é praticamente equivalente aos gases de efeito estufa da queima de combustíveis.

A Nova Zelândia já tem um esquema de comércio de emissões de gases de efeito estufa, mas a agropecuária estava fora dele. 

 

Pela nova proposta, feita por uma força-tarefa conjunta que inclui representantes do setor e o governo, a taxação começaria em 2025. 

A ideia é que haja uma taxação no nível de cada fazenda, com um valor a ser pago por tonelada de gás de efeito estufa emitido. Haverá incentivos para quem suplementar as rações com aditivos que reduzam a produção de metano na digestão dos animais

Sequestro de carbono no nível das propriedades, por meio do plantio de árvores, por exemplo, poderá entrar na conta para compensar as emissões. 

A precificação seria diferente para os chamados gases de vida curta e vida longa. O metano é um gás de efeito estufa de vida curta (porque dura menos tempo na atmosfera), mas é superpotente – sendo o segundo maior contribuidor para o aquecimento global. Já o dióxido de carbono e o óxido nitroso são considerados gases de vida longa. 

A proposta é que a receita levantada nesse esquema seja usada para pesquisa, desenvolvimento e consultoria para que os fazendeiros possam adotar técnicas de mais baixo carbono. 

Apesar do desenho geral, vários detalhes de como funcionará o esquema e como será feita a mensuração ainda precisam ser decididos. 

“Não há dúvidas de que precisamos cortar a quantidade de metano que estamos colocando na atmosfera, e um sistema de precificação de emissões efetivo para a agricultura será uma parte relevante para atingir esse objetivo”, disse o ministro de mudanças climáticas da Nova Zelândia, James Shaw, em nota. 

Foto: Gulfside Mike, via Unsplash

Leia mais

A melhor cobertura de negócios e finanças sustentáveis

Contribua com o Reset e ajude a construir a mudança.