Mais ambição: Ambev agora quer zerar CO2 da cadeia de valor até 2040

Compromisso anterior era de cortar 25% da pegada de carbono da cerveja e do refrigerante até 2025; meta igual foi anunciada pela AB Inbev globalmente

Compartilhar

A Ambev anunciou há pouco a promessa de zerar as emissões de toda a sua cadeia produtiva até 2040. O objetivo é ambicioso: descarbonizar do plantio da cevada à reciclagem da latinha de cerveja vazia.

O compromisso anterior envolvia uma redução de 25% dos gases de efeito estufa (GEE) até 2025, tanto das fábricas quanto dos parceiros. A nova meta é significativamente mais agressiva.

Tipicamente, a maior parte das emissões de CO2 associadas a uma empresa estão da porta para fora. São as chamadas emissões de escopo 3, que envolvem fornecedores e clientes. (Os escopos 1 e 2 dizem respeito à atividade direta e à energia consumida, respectivamente.)

No caso das operações da Ambev na América Latina, os terceiros são responsáveis por 85% do total de emissões – oito vezes mais que suas próprias fábricas e vinte vezes mais que a energia que a companhia consome.

 

O plano de ação foi validado pela Science-based Targets Initiative (SBTi), iniciativa global que analisa as medidas climáticas tomadas por grandes empresas para garantir que estejam em linha com o Acordo de Paris.

A AB Inbev também anunciou as mesmas metas globalmente. “Estamos mapeando caminhos de descarbonização e queremos continuar investindo em parcerias e inovações para atingir o net zero”, afirmou o CEO da empresa, Michel Doukeris, em comunicado.

O primeiro ciclo

Os primeiros compromissos de sustentabilidade foram anunciados pela Ambev em 2017. A companhia afirma que, desde então, suas operações próprias já emitem 63% menos GEE em comparação com 2003.

Todas as 32 unidades utilizam energia renovável e, este ano, uma cervejaria em Ponta Grossa, uma maltaria em Passo Fundo e uma distribuidora em Joinville são 100% neutras em carbono.

Mas o maior desafio está no que acontece além dos portões da companhia.

No documento que expressa a intenção do net zero, a AB Inbev aponta os vários pontos de sua longa cadeia de valor que precisarão de intervenções.

A empresa menciona genericamente algumas medidas possíveis:

  • Sistemas de agricultura regenerativa que aumentem a captura de carbono pelo solo;
  • Uso de biocombustíveis e biomassa para a torrefação do malte;
  • Aumento de material reciclado nas embalagens;
  • Combustíveis alternativos para os caminhões de entrega;
  • Reciclagem dos envases.

Como o net zero envolve tudo o que toca os processos da empresa – a agricultura, as embalagens, o transporte e assim por diante – a tarefa é extremamente complexa.

A empresa já vem estudando e implementando várias iniciativas no Brasil, como no caso das embalagens, o maior vilão das emissões da empresa.

Um dos objetivos da Ambev para 2025 é que toda a poluição associada ao plástico seja eliminada ou neutralizada. Um exemplo de solução foi o investimento na GrowPack, uma startup argentina que desenvolve embalagens biodegradáveis e feitas de resíduos da agricultura.

Já em outros segmentos, como o do transporte rodoviário, a expectativa é que metade da frota seja elétrica daqui cinco anos.

O primeiro caminhão elétrico desenvolvido em colaboração com a Volkswagen Caminhões e Ônibus foi entregue em junho. Até o fim do ano, 100 já estarão rodando pelas cidades brasileiras.

Leia mais

A melhor cobertura de negócios e finanças sustentáveis

Contribua com o Reset e ajude a construir a mudança.