Eve, da Embraer, quer faturar US$ 4,5 bi com ‘carro voador’ em 2030

Experiência acumulada da fabricante de aviões fará a diferença na corrida do nascente mercado da mobilidade aérea urbana, diz CEO

Compartilhar

A Eve, empresa de ‘carros voadores’ da Embraer, projeta faturar US$ 4,5 bilhões em 2030, apenas quatro anos depois da primeira decolagem comercial de seu eVTOL.

A experiência na fabricação de aviões será uma vantagem crucial para a Eve no nascente mercado de mobilidade aérea urbana com aeronaves elétricas, disse o co-CEO da Eve, André Stein, em um evento digital do Credit Suisse.

“Nos últimos 25 anos, a Embraer desenvolveu mais de 30 modelos diferentes”, afirmou Stein. “Vamos aproveitar esses processos [já existentes] para conseguir a certificação e, acima de tudo, no prazo previsto, o que é raro na indústria.”

Várias startups estão desenvolvendo eVTOLS (sigla em inglês para aeronaves de decolagem e pouso vertical), mas nenhuma delas deve começar a operar comercialmente antes da metade da década.

A Eve – que anunciou a fusão com a companhia cheque em branco Zanite e deve estrear na bolsa de Nova York no segundo trimestre – é considerada uma das mais bem posicionadas nessa corrida. A Embraer mantém o controle da companhia, com cerca de 80% das ações.

 

A empresa é avaliada em US$ 2,4 bilhões, tem cerca de US$ 550 milhões em caixa e 1.735 pedidos de aeronaves, de 17 clientes. Não são encomendas vinculantes, mas é um número superior ao da maioria das concorrentes.

A expectativa é que, uma vez obtida a certificação das autoridades reguladoras, a produção comece com o pé no acelerador: de 75 unidades em 2026 para 1.117 em 2030, de acordo com a previsão divulgada pela companhia.

Quatro negócios em um

A Eve deve ter quatro linhas de receita. A maior delas será a venda dos eVTOLs, que deve responder por cerca de 55% do faturamento em 2030.

Depois, vêm serviços e manutenção (26%) e também a operação das aeronaves (18%) – um novo negócio para a companhia que nasceu dentro da Embraer.

Startups como a americana Archer Aviation apostam em um modelo vertical: além de projetar e fabricar as aeronaves, a companhia também vai operar vertiportos e oferecer o serviço de transporte.

Já a Eve se posiciona principalmente como fabricante tradicional. Segundo Stein, os serviços de manutenção poderão ser oferecidos até mesmo para aeronaves de outras companhias.

A quarta e menor parte do faturamento – apenas cerca de 1% – deve vir da venda dos sistemas de controle de tráfego aéreo para os eVTOLs.

Ele também afirmou que, se as projeções atuais se confirmarem, a companhia terá 15% de um mercado que pode chegar a US$ 31 bilhões no final da década.

A estimativa é conservadora quando comparada à liderança da Embraer no mercado de jatos regionais (29%) e jatos leves (28%), afirmou Couto.

Um enxame de eVTOLs

A promessa é que esse novo tipo de aeronave terá custos muito mais baixos de operação, o que significa preços mais baixos para o consumidor e potencialmente um enxame de ‘carros voadores’ nas grandes cidades.

Outra diferença fundamental é o nível de ruído. A americana Archer afirma que, em altura de cruzeiro, o barulho de suas aeronaves é um milésimo de um helicóptero voando na mesma altitude.

Os primeiros serviços oferecidos devem ser de transporte de e para aeroportos. A Embraer já fez simulações (usando helicópteros) no Galeão, no Rio, e também participa de estudos com dois aeroportos londrinos.

Leia mais

A melhor cobertura de negócios e finanças sustentáveis

Contribua com o Reset e ajude a construir a mudança.