Do discurso à prática: BlackRock vota contra 53 companhias por falha em questões climáticas

 

No começo do ano, Larry Fink escreveu uma carta alertando para a magnitude dos riscos climáticos e cobrando uma postura mais contundente das empresas contra o que chamou de “uma crise estrutural sem precedentes”. 

Agora, parte da conta chegou. 

A BlackRock anunciou que votou contra 53 empresas na temporada de assembleias deste ano por falhas no progresso em lidar com as questões climáticas. E ainda ameaçou fazer o mesmo com outras 191 companhias que foram colocadas numa lista “de observação”. 

Entre as pouco mais de 50 companhias ‘punidas’ estão a petroleira americana ExxonMobil e a montadora sueca Volvo. A maior parte das empresas, 37, são do setor de energia.

Normalmente, a BlackRock busca o engajamento com as companhias, mas quando ele falha, pode tomar medidas como votar contra a reeleição de conselheiros ou dar apoio a propostas formuladas por acionistas minoritários — esta última uma prática mais comum no mercado americano. 

A maior gestora de ativos do mundo, com US$ 6,8 trilhões sob gestão, vem sendo cobrada em todo o mundo por ações mais concretas em relação seu discurso de preocupação com mudanças climáticas. 

Enquanto nas carteiras geridas ativamente é possível ter mais discricionariedade na escolha das empresas e setores, a principal crítica recai sobre o alcance de sua estratégia em relação aos fundos passivos e ETFs, que representam dois terços de seus recursos sob gestão. 

O relatório publicado hoje mostra o que ela pode fazer: votar. 

A BlackRock disse que as 191 companhias que estão em observação “podem enfrentar ações por meio do voto em 2021 se não fizerem progressos substanciais”. 

A postura em relação a ExxonMobil deixa claro o modus operandi da gestora.

A BlackRock vem se engajando com a companhia há alguns anos e reforçando a recomendação de adoção dos padrões do Sustainability Account Standards Board (SASB) e do Task-Force on Climate Related Discloures (TCFD). 

Em 2018, a Exxon até começou a adotar parcialmente o framework do TCFD, mas, segundo a gestora, o nível de ‘disclosure’ ainda está muito aquém do esperado. 

Na assembleia, a BlackRock votou contra o principal conselheiro independente, bem como o presidente do comitê responsável pelas políticas e divulgações climáticas. 

“A Exxon falhou em ter uma meta clara de longo prazo para redução de gases de efeito-estufa; em não divulgar o grau de aquecimento que espera sob sua estratégia atual; e por não apresentar provas de que o conselho está cumprindo seu dever de supervisão e liderança independentes”, justificou. 

O engajamento mais focado da gestora começou por setores mais intensivos em carbono, especialmente nos mercados desenvolvidos.

“Nossa abordagem sobre questões climáticas, em particular, é focar nossos esforços em setores e companhias nas quais a mudança climática se mostra como o maior risco material para os investimentos de nossos clientes”, disse o grupo. 

Agora, disse que vai começar o engajamento com 110 outras na segunda metade do ano. 

Nesta segunda fase, o foco recai em dois perfis. O primeiro, empresas baseadas em países emergentes que são muito dependentes de fontes intensivas em carbono, como carvão. O segundo é o das instituições financeiras, que têm impacto no aquecimento global por meio das operações que financiam.

O outro lado 

A BlackRock foi criticada neste ano por não ter dado apoio a algumas propostas de acionistas sobre mudanças climáticas. 

Um caso emblemático foi o da petroleira australiana Woodside, em que minoritários apresentaram uma proposta para que a empresa determinasse metas em linha com o Acordo de Paris. A BlackRock votou contra. 

No relatório publicado hoje, a BlackRock disse que concordava com a intenção da proposta dos acionistas, mas não achava factível o prazo proposto, de apenas um ano, para que a empresa calculasse as emissões de Escopo 3 — aquelas geradas pelos consumidores no uso dos produtos.

A gestora também não deu apoio a uma resolução relativa à mudança climática no JP Morgan — que teria passado com os votos da BlackRock. 

Historicamente, a BlackRock sempre terceirizou suas decisões sobre como votar em alguns bancos, para evitar conflitos de interesse: seu maior acionista era o PNC, um banco regional da Pensilvânia.

Agora, a situação mudou: o PNC vendeu suas ações na gestora em maio. 

Confira aqui o relatório na íntegra