Com inadimplência baixa, Estímulo 2020 inspira novos fundos de acesso a crédito

Iniciativa de alívio para pequenas e médias empresas na covid-19 que já concedeu mais de R$ 30 milhões surpreende com baixo calote e deve dar origem a novos fundos de crédito 'com propósito', diz o idealizador Eduardo Mufarej

 

Criado em maio como um dos primeiros fundos de alívio para pequenas e médias empresas em meio à covid-19, o Estímulo 2020 está fechando o ano com R$ 30 milhões em crédito concedido, R$ 80 milhões ainda a distribuir (a maior parte em Minas Gerais) e uma notícia alvissareira: contrariando as expectativas, a inadimplência dos primeiros pagamentos tem ficado próxima de zero. 

Com o bom desempenho da carteira, a experiência deve se perpetuar, tanto a partir da reciclagem do capital já levantado, quanto a partir de novas iniciativas.

“Queremos que ele possa ser um fundo de crédito com propósito, olhando para setores ou verticais específicas onde o capital é escasso e a gente possa ajudar a fazer a diferença em determinadas indústrias”, diz Eduardo Mufarej, idealizador do Estímulo. “O primeiro gancho deve ser a recuperação econômica e empreendedores que estão precisando de capital para crescer dentro do que vai ser a vida pós-covid.” 

Ex-sócio da Tarpon e fundador do RenovaBR, movimento de formação de novas lideranças políticas, Mufarej voltou ao mundo dos investimentos no começo do ano para montar a Good Karma (GK) Ventures, uma gestora voltada para fundos de impacto — ou, como ele gosta de chamar, ‘mission driven investments’. 

Mas tinha uma pandemia no meio do caminho, que o fez adiar o projeto de colocar um fundo de impacto de cerca de R$ 300 milhões ainda neste ano, para montar o Estímulo. 

Azor Barros, executivo com passagem pelo TPG Rise, um dos maiores fundos de impacto do mundo, que tinha se juntado a Mufarej para levantar o fundo do GK, acabou assumindo o projeto do fundo de alívio. 

Colocada de pé em menos de um mês, logo quando a economia freou de forma brusca, a iniciativa reuniu doações de empresários e companhias para conceder crédito subsidiados. 

O alvo são empresas com faturamento de até R$ 400 mil por mês e pelo menos dois anos de vida. Os juros são de no máximo 6,5% ao ano, com pagamento em até 24 meses e carência de três meses para o primeiro pagamento.  Apoiadas por uma rede de fintechs, a análise e a concessão do crédito são feitas em questão de dias.

A iniciativa começou em São Paulo e logo chegou a Rio de Janeiro, Ceará e Minas Gerais. Em cada Estado, uma rede de empresários local ajudou com a estruturação dos projetos — como Ticiana Rolim Queiróz, no Ceará, Armínio Fraga, no Rio de Janeiro, e Pedro Faria, da Tarpon, em Minas Gerais. Foram mais de 850 apoios concedidos. 

Agora, o projeto entra numa nova fase. Barros voltou para suas atribuições na GK, que deve fazer o lançamento do fundo no primeiro trimestre de 2021, e foi contratada uma equipe dedicada para tocar o Estímulo. Antes, o trabalho era todo feito de forma voluntária.  

“O Good Karma ficou dormente por causa do Estímulo, abrimos mão de ir ao mercado por causa dele, era uma coisa ou outra”, diz Mufarej. “O Estímulo é um projeto importante. A gente continua tocando como comitê gestor, mas a nossa ideia é que tenha um pouco mais de autonomia.” 

Multiplicação à la mineira 

Os aprendizados com o Estímulo podem ir além dos fundos de alívio, voltados para situações emergenciais, e se desdobrar inclusive em iniciativas que visem o lucro, mas com o propósito de dar crédito acessível.

“Na primeira experiência do Estímulo, a gente conseguiu ter uma inadimplência muito abaixo da de mercado, com crédito acessível. A partir daí pode ter uma semente para pensar em algo de crédito com propósito com fins lucrativos, fora do Estímulo ou paralelo. Tem um potencial muito grande para ser a semente de um negócio imenso, com muito impacto, em que você consegue fazer os dois”, diz Mufarej. 

A estratégia utilizada em Minas Gerais dá o caminho de como ganhar escala.

Enquanto nos demais Estados os empréstimos do Estímulo foram bancados exclusivamente com as doações, na experiência mineira, uma operação estruturada com o Sicoob CrediFiemg, cooperativa de crédito ligada à Federação da Indústria de Minas Gerais, permitiu a multiplicação dos recursos. 

Numa operação alavancada, o Estímulo entrou com R$ 15 milhões levantados com os doadores, assumindo as primeiras perdas, permitindo que a cooperativa quintuplicasse o cheque, assumindo a inadimplência seguinte. 

Na prática, a os recursos chegaram a mais de R$ 70 milhões, dos quais cerca de R$ 60 milhões ainda estão disponíveis. 

“O Estímulo não é exatamente um fundo, é uma organização sem fins lucrativos, mas acreditamos que tem caminho para estruturar um fundo, sim, fazendo algo parecido com o que a gente fez em Minas Gerais”, diz Barros. 

Outro aprendizado do Estímulo foi a capacitação dos empreendedores. Para ter acesso ao crédito, eles precisam assistir aulas em vídeo sobre gestão, preparadas pelo Ibmec, e têm mentoria com uma série de empresários de peso que apoiam o projeto, como Abilio Diniz, Roberto Saloutti, CEO do BTG Pactual, e Eugênio Mattar, CEO da Localiza. 

“Apostamos na esteira de capacitação porque, como sabíamos que ia ter pouco recurso, queríamos entregar algum valor para quem entrasse na plataforma. E existe uma correlação entre capacitação e inadimplência. O empreendedor que cuida melhor das suas contas, paga melhor”, diz Barros.

Mudança na lei

Além dos possíveis filhotes em forma de produtos financeiros, o Estímulo 2020 também deve deixar um legado jurídico. Um projeto de lei de autoria do Senador Antonio Anastasia (PSD-MG) quer criar a figura jurídica do ‘fundo emergencial filantrópico’ para dar celeridade à criação de fundos assistenciais em situações de calamidade. 

Para botar o Estímulo 2020 de pé na velocidade necessária, Mufarej teve que improvisar: aproveitou a casca de uma ONG voltada para rugby — uma de suas paixões —, que estava dormente, para acoplar o projeto. 

“É inadmissível que na próxima pandemia ou na próxima crise a pessoa que queira fazer uma iniciativa do tipo tenha quer ter uma ONG parada, esperando”, diz. 

O projeto apresentado por Anastasia foi desenhado com ajuda do Pinheiro Neto Advogados e do PLKC, que também assessoram o Estímulo. A expectativa é que vá a votação até o fim do ano.